Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar

Nostradamus previu o fim da pandemia do coronavírus

Em meio a tantos oráculos-cientistas dando pitaco na pandemia, estava faltando um nome: Nostradamus.

Outro dia eu estava entretido com as previsões catastrofistas do oráculo-cientista com nome de huno quando me dei conta de que faltava um personagem em meio a esse debate para lá de esotérico sobre a pandemia que virou peste e já está até pensando em virar apocalipse: Nostradamus.

O velho Nostra, você sabe, viveu na França do século XVI e escreveu quadras proféticas tão obscuras que podem significar tudo e também nada. Atribui-se a ele a previsão de cataclismos como a erupção do vulcão Krakatoa, guerras e avanços tecnológicos. Até o impeachment de Dilma Rousseff Nostradamus previu na inesquecível "Centúria da Pedalada". Já a controversa Centúria XXVII, uma das minhas preferidas, prevê o surgimento dos celulares e das redes sociais:

No ar a voz do estranho e sábio vento ecoa

No ouvido do homem que, diante da tela e à toa,

Ao deus pássaro o mantra do ódio diário entoa

[Ilegível] não sei o quê, blá, blá, blá, leitoa.


Mas o tempo passou e os alquimistas d’antanho viraram químicos e farmacêuticos, os unguentos e poções ganharam nomes complicados, como dipirona ou hidroxicloroquina, e os leitores de runas viraram respeitáveis peagadês diante de elaborados e ininteligíveis modelos matemáticos. Neste cenário de muita certeza e objetividade, Nostradamus virou motivo de chacota. E ainda por cima escreve riminha, o coitado!

Não para todos. Ainda há aqueles que, como eu, levam Nostradamus muito a sério e guardam com carinho os três volumes das Obras Completas de Nostradamus (Ed. Sabrina), mesmo que eles estejam manchados de café. O compêndio é uma obra-prima em si, cheio de iluminuras e aquela tipografia gótica feita sob medida para enganar os otários. Mas o melhor mesmo é que as quadras são todas comentada pelo grande erudito dom Alex de Shoares Sylva, catedrático da renomada Universidade de Quaresmeiras Roxas e o maior especialista em Nostradamus, literatura policial e imposto de renda do mundo.

Qual não é minha surpresa quando, ao abrir o terceiro volume a esmo, ali pertinho de quando Nostradamus fala que o mundo vai acabar em agosto ("a gosto de Deus"), me deparo com a quadra sobre o coronavírus lá circulada e marcada com pontos de exclamação e um lembrete para comprar papel higiênico escrito à margem!



Um ano depois da catedral em Paris arder em chamas,

Um mês depois do médico magro abraçar o hermafrodita,

Uma coroa virá da China e se espalhará pelo mundo,

Impedindo as pessoas de saírem para comer esfihas.


A quadra é inequívoca. Tenho vontade de ligar para dom Alex de Shoares e dizer "cara, que louco isso, né?". Mas desisto, porque já é tarde e, no mais, dom Alex deve estar assistindo à formação de paredão do Big Brother Brasil. Fico ali, boquiaberto e pensativo, pensativo e boquiaberto, até que me lembro de fechar a boca, paro de pensar besteira, folheio o livro mais um pouco e encontro aquilo que tanto procurava.

Porque, sete quadras adiante, numa página que por descuido do encadernador estava colada a outra, Nostradamus previu o fim da pandemia:

Enquanto à live da Senhora Gaga e das Pedras Rolantes assisto,

Os canhotos e destros travam o embate final há muito previsto,

O tempo passa, bebo aquele vinhozinho e minhas virtudes listo,

Até que o vírus em forma de coroa se vai, não sem antes dizer "desisto".


Fonte: Gazetadopovo

Comentários

20 Abr, 2020 - 17:02

1994 Views

Comentários

Notícias