Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar

10 games que tratam de depressão, ansiedade e outras doenças mentais

Não é comum encontrar games que abordam temas tão sérios quanto depressão, ansiedade, luto e outras doenças mentais. No entanto, nos últimos anos, games como "Celeste", "Hellblade: Senua's Sacrifice" e outros têm encontrado formas de debater depressão, sexualidade e até psicose de maneira aberta e livre de preconceitos.

Esse foi um dos motivos que levou "Celeste" ser indicado não apenas ao prêmio de melhor indie no "The Game Awards", como também levar o prêmio de game de impacto, por sua contribuição para debate sobre depressão. Afinal de contas, é importante lembrar que a jornada de um paciente de uma dessas condições costuma ser muito mais difícil do que a jornada de um herói ou heroína dos games.

Buscamos games que abordam a saúde mental, as histórias de encorajamento que eles buscam trazer e preparou a lista a seguir.

Confira:

Imagem

Celeste (PS4, Xbox One, Switch, Mac, Linux e PC)

A primeira vista, "Celeste" é um game de plataforma desafiador que não tem muita história além da repetição de mortes e tentativas da personagem principal. E, de fato, você pode jogar dessa maneira. No entanto, ao prestar mais atenção no enredo e nas motivações da personagem principal e sua antagonista, o game independente se torna uma experiência rica e que vai além da simples superação de obstáculos. O que pode muito bem se relacionar com a vida, não é mesmo?

Imagem

Night in the Woods (Xbox One, PS4, Switch, Android e PC)

Outro game indie, "Night in the Woods" usa de um visual 2D que parece ter saído de um livro infantil para contar a história do personagem Mae Borowski. Depois de largar a faculdade, o protagonista volta para casa para decidir qual será seu próximo passo. No entanto, o grande objetivo do game é que o jogador explore e entenda mais sobre condições e doenças mentais. Praticamente todos os personagens que interagem com Borowski tem algum tipo de transtorno. A grande sacada de Night in the Woods é sua abordagem - o game usa animais no lugar de pessoas e sua narrativa contribui para que essas condições não sejam vistas com preconceito.

Imagem

Actual Sunlight (PC, Vita, Android )

A definição dos desenvolvedores sobre "Actual Sunlight" é de que seu jogo é uma "história interativa sobre amor, depressão e as corporações". O game mostra o cotidiano de Evan Winter, um profissional de 30 anos que odeia seu trabalho e sua vida. Mas, ao contrário de outros protagonistas, nunca tem a coragem de fazer alguma coisa sobre isso. O jogo ilustra o dia a dia de Evan e traz uma abordagem realista do cotidiano de uma pessoa com depressão. O criador do game, Will O'Neil, até mesmo diz que Actual Sunlight é autobiográfico e que modelou o apartamento do protagonista baseado no seu. O jogo também aborda questões sobre sexualidade e suicídio.

Imagem

Hellblade: Senua's Sacrifice (Xbox One, PS4 e PC)

Vencedor do prêmio de game de impacto no The Game Awards de 2017, "Hellblade: Senua's Sacrifice" coloca os jogadores no papel da protagonista Senua, que precisa conviver com sua própria psicose no caminho para resgatar a alma de seu amado. Inspirado pelas mitologias nórdica e celta, o game trabalha a condição da guerreira como uma metáfora. Senua acredita que sofre de algum tipo de maldição, é assombrada por uma entidade e ouve vozes em sua cabeça. Atormentada pelo trauma de perder seu lar após uma invasão de guerreiros vikings, a guerreira vive uma jornada intensa. Para retratar melhor a condição da personagem principal e criarem um game realmente imersivo, os desenvolvedores contaram com a pesquisa e ajuda de neurocientistas, especialistas em saúde mental e pessoas que sofrem com a doença.

Imagem

Heavy Rain (PS3 e PS4)

Apesar de não ser o tema central de "Heavy Rain", é possível observar claramente que dois personagens do jogo sofrem com doenças mentais. Um deles sofre com alucinações e outro tem momentos de psicose originados de trauma emocional. Em meio a tudo isso, quatro protagonistas precisam descobrir a identidade de um assassino em série a tempo de salvar sua mais nova vítima. Vale a pena conferir o jogo da Quantic Dream novamente, prestando especial atenção aos aspectos mentais demonstrados nos capítulos dessa experiência interativa.

Imagem

That Dragon, Cancer (PC, Mac, iOS)

Um dos games mais dramáticos da lista, "That Dragon, Cancer" é um game autobiográfico baseado em momentos da vida de seus criadores, o casal Ryan e May Green. O filho do casal foi diagnosticado com um câncer terminal quando tinha pouco mais de um ano. O título descreve a jornada dos pais para enfrentar a ansiedade e depressão, ao mesmo tempo em que os criadores aproveitavam o máximo de tempo restante com seu filho. Desenvolvido por um pequeno estúdio independente, o Numinous Games, o jogo ganhou repercussão em varios cantos do mundo e ganhou o prêmio de jogo de impacto do The Game Awards de 2016.

Imagem

Depression Quest (Web)

Como o nome já sugere, "Depression Quest" é uma aventura que aborda a luta contra a doença que afeta milhões de pessoas ao redor do mundo. Desenvolvido e publicado pelo estúdio Quinnspiracy, o game é uma espécie de nove interativa simples e baseado em decisões realizadas no seu navegador. O jogador precisa dar ao mundo respostas para diversas decisões do dia a dia. Ao tratar o tema de forma acessível, o jogo ajuda quem não sofre com a doença a ter mais proximidade com o assunto. O game está disponível de forma gratuita em sua página oficial, mas requer conhecimento em inglês. Quem apoiar a iniciativa, pode doar algum valor para ajudar seus criadores, que prometem reverter parte da renda para o serviço de prevenção ao suicídio dos EUA.

Imagem

Life is Strange (PC, Mac, PS3, PS4, Xbox 360, Xbox One, iOS e Android)

Um dos únicos games dessa lista a ser publicado por uma grande empresa do mercado (Square Enix), "Life is Strange" conta a história da estudante Max e aborda uma série de temas ainda considerados tabus na indústria. Divisão social, bullying e suicídio são abordados no game que é dividido em cinco episódios. Com a boa recepção da crítica e dos jogadores, a franquia já teve uma continuação e um spin-off lançados após o sucesso do primeiro título.

Imagem

The Town of Light (PS4, Xbox One, Switch e PC)

Uma aventura de horror psicológico, "The Town of Light" utiliza os conceitos de doenças mentais para criar um clima assustador. O jogo se passa nos anos 40, em uma instituição para pacientes desse tipo. O game foi desenvolvido após uma série de pesquisas sobre as péssimas condições e práticas antiéticas realizadas nestes manicômios. Além de mostrar alguns dos abusos que eram cometidos pela ciência naquela época, o jogo tenta chamar a atenção para a importância do tratamento adequado de doenças mentais. Afinal de contas, a ignorância ainda é um obstáculo na hora de tratarmos desses temas, mesmo nos dias atuais.

Imagem

Flower (PS3, PS4)

"Flower" não é um game que aborda um transtorno ou doença, mas tem outro aspecto da mente em destaque: a saúde mental. O jogo foi desenvolvido de uma forma específica para que os jogadores tivessem uma experiência emocionalmente positiva. Você controla uma série de pétalas que são levadas pelo vento, que funcionam como uma terapia para vários jogadores. Alguns deles, como é o caso do jornalista Louie Castro-Garcia, do site VentureBeat, até mesmo utilizaram esse clima para lidar com a depressão.

Fonte: Jogos/Uol

Comentários

24 Jan, 2019 - 17:04

788 Views

Comentários

Notícias