Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar
9.0
Análise de Wolfenstein II: The New Colossus de IGN

O terceiro Reich dos Estados Unidos da América

Nesta sexta-feira, 27 de outubro, Wolfenstein II: The New Colossus, a sequela de The New Order, veio ressuscitar um dos mais recordados e queridos shooters desde então. o lançamento do jogo original em 1992. Machine Games e Bethesda nos oferecem a sequela imediata do jogo de 2014, uma entrega contínua (tanto em termos de história e mecânica e pontos fortes), mas também refinando a experiência para quase todos os níveis: em sua seção técnica e, especialmente, em seu roteiro e sua poderosa narrativa.



E, agora mesmo, o debate sobre jogos lineares e de jogador único é agora "raivoso", com a controvérsia que surgiu após o encerramento da Visceral Games e a paralisação do projeto de ação de Star Wars, precisamente por causa de não focar na experiência multiplayer, porque agora amamos Wolfenstein 2. Um título de ação linear, sem mundos abertos, sem multiplayer, sem modos cooperativos, sem modos on-line de qualquer tipo. Um jogo deliberadamente "semi-aberto" em muitas das suas fases, que enfatiza a poderosa história que nos diz, oferecendo-nos um desafio emocionante para superar a base dos estilhaços.

E nenhuma dessas declarações anteriores deve ser negativa, pelo contrário. Wolfenstein é Wolfenstein e não entenderíamos que a saga se reinventou e se adapte aos "novos tempos". O New Colossus é mais uma vez um shooter linear emocionante, que nos oferece um nível após o outro para combater e combater uma excelente história de guerra, ficção científica, amor, lutas sociais, preconceitos e violência. E a história é melhor contada desta vez, com quase 3 horas de cinemática, onde conheceremos muito mais profundamente o herói intrépido, William J. Blazkowicz e ainda muitos personagens secundários interessantes. E, claro, com algum cameo histórico memorável.

Como você sabe dos inúmeros avanços e gameplays que Bethesda nos permite publicar esses últimos meses, Wolfenstein II: The New Colossus continua com a utopia que nos mostra um mundo praticamente dominado pelos nazistas. Nesta realidade alternativa, o III Reich ganhou a batalha de Stalingrado e, a partir daqui, o equilíbrio caiu do lado alemão. O jogo continua a história de William J. Blazkowicz, conhecido como Terror Billy e, se você jogou o título anterior, você sabe como terminou.

Imagem

Assim, o jogo começa quatro meses após os eventos do título anterior, um período de tempo que nosso herói estava em coma. Quase milagrosamente, Terror Billy volta a viver para continuar a ajudar o Círculo de Kreisau, o grupo empobrecido de resistência anti-nazista. Mas sim, quando o Eva's Hammer, o submarino nuclear alemão que a resistência roubou e usa como base secreta, está sendo atacado pela própria Frau Engel. Assim, como você já viu, as primeiras medidas do jogo passam Blazkowicz montadas em uma cadeira de rodas. A partir daqui começa uma aventura que nos levará de volta à máquina de guerra retro-futurista nazista, mas desta vez essa guerra se move para Estados Unidos ocupados. Assim, a estética da América do Norte dos anos 60 é misturada com a estética nazista da ocupação. Uma mistura explosiva e estranhamente familiar.

Como já dissemos, a história do jogo é um dos pontos fortes desse Wolfenstein. Nesta análise, não queremos contar nenhum spoilers para que você aproveite a história por si mesmos, mas se tivermos que dizer que há algumas torções fabulosas. Pode parecer que muito foi contado nos múltiplos avanços e gameplays de vários níveis que foram publicados, mas acredite em você, você não sabe quase nada de onde eles irão disparar. E se pudermos dizer é que, levando-nos aos Estados Unidos, o roteiro deste jogo enfoca a história de Blazkowicz, sua infância, suas origens e seus problemas familiares e sociais antes de se juntar ao exército e ir à guerra. E esta jornada pessoal também serve como uma jornada através da história dos Estados Unidos, suas misérias, conflitos sociais, lutas raciais...

Imagem

O roteiro do jogo mistura questões maravilhosamente importantes de crítica social naquela época, mas, infelizmente, também é muito atual: fala da luta pelos direitos civis, o racismo, a intolerância e até mesmo o comunismo e a luta contra o capitalismo. Mas não se assuste, este é um jogo de ação e seu roteiro também está cheio de ficção científica, violência e sangue. Mas também há espaço para amizade, amor, família, amizade, morte...



Wolfenstein II: The New Colossus retorna para criar uma série de níveis principais, com uma estrutura linear, que irá avançar a história. Dos dois níveis iniciais frenéticos (a bordo do Eva's Hammer e a bordo da fortaleza voadora Ausmerzer Odin, nave-mãe dirigido por Freu Engel), a aventura recai um pouco e configuramos nossa base de operações no submarino seqüestrado. Eva's Hammer é o lugar para descansar entre missão e missão e aqui temos um certo senso de liberdade porque podemos escolher entre um grande número de atividades a bordo.



Em nossos objetivos sempre aparecerá marcado qual é o lugar para iniciar a próxima missão principal, mas a bordo do submarino existem várias missões secundárias para executar. Podemos conversar com toda a sua equipe, que nos pedirá para ajudá-los em diferentes tarefas e desafios. A superação das missões laterais proporciona recompensas ou abre novas missões objetivas. O submarino é enorme e cheio de colecionáveis, segredos e ovos de Páscoa: como a máquina incrível com o Wolfenstein 3D original (jogável e que permite salvar o jogo). Claro, o título é alterado e se chama Wolfestone 3D e encarna um nazista cujo objetivo final é matar o próprio Blazkowicz (já que é uma máquina feita pelos nazistas).

Passamos muitas horas no submarino e esses momentos dão a sensação de um jogo maior, mais vivo, quase como se estivéssemos em uma produção mundial aberta. As conversas da equipe de submarinos são para escutá-los por minutos e todos os detalhes do navio são projetados para o milímetro. Mas, no final, sempre teremos que voltar ao dia a dia do nosso herói. Dê um passo adiante e vá para matar nazistas.



E essas missões da história nos levarão a Nova York, Texas, Novo México ou Nova Orleans, e mais além, em níveis realmente longos, nos quais viajaremos os corredores e salas típicos, mas também ambientes mais abertos, como grandes ruas abandonadas. A estética pós-apocalíptica inunda todos e é que a guerra nuclear deixou alguns sites livres de radiação.

O jogo tem até 6 níveis de dificuldade, onde o terceiro deles seria a dificuldade "Normal" de um atirador médio. Ele também tem um sétimo nível desbloqueável uma vez que você supera a campanha uma vez. Deve-se dizer que é um jogo exigente e que na dificuldade normal já temos momentos realmente complicados para superar o primeiro. Dezenas de inimigos na tela, bestas mecânicas que disparam de todos os ângulos... Wolfenstein 2 sabe como criar um pequeno inferno para aqueles menos acostumados a shooters clássicos.

Como dissemos, a jogabilidade continua como se viu na parcela anterior, com melhorias sutis e interessantes. Um deles é o sistema de melhoria de armas. A maioria das armas já conhecidas retornam nesta entrega, mas agora o sistema de melhoria de armas nos permite escolher quais armas e quais as melhorias exatas que queremos aplicar. Para o jogo, há kits de melhoria distribuídos, que podemos aplicar exatamente à nossa arma favorita. Assim, podemos gastar esse recurso em armas que se adaptem ao nosso estilo de jogo, são as mais utilizadas e saem sem melhorar as que usamos menos.

Imagem

Este sistema nos permite melhorar nossas habilidades de armas de forma relativamente rápida. A outra área de melhorias são as habilidades próprias de Blazkowicz, que são automaticamente melhoradas de forma semelhante ao título anterior. Essas melhorias são alcançadas através da realização de certos objetivos no jogo (obtenha 15 baixas de cabeça de disparo, obtenha 10 baixas com armas pesadas, etc.). Assim, melhoraremos aspectos sutis do personagem de três formas: furto, combate corpo a corpo e táticas.

O jogo pode ser completado em cerca de 14 ou 15 horas, dependendo da pressa que temos e do tempo que dedicamos a missões secundárias, desbloqueando segredos, colecionando colecionáveis??... mas deve-se dizer que as primeiras 5 horas do título são, em realidade, uma grande introdução. Não vamos revelar o que está acontecendo aqui, porque seria um spoiler imperdoável. Mas nós só queremos dizer-lhe que a história tem um toque radical e está aqui mesmo quando as coisas ficam realmente boas. Nós já temos quase todas as armas e um nível de habilidade realmente alto.



A partir deste momento, também poderemos escolher um super dispositivo para adicionar ao nosso super soldado. Estes são: palafitas de combate (que nos permitem acessar lugares altos e atacar acima de nossos inimigos), o atril (com o qual podemos derrubar as paredes e acabar com os inimigos com um empurrão) e o chicote constrictor (que comprime o corpo de Blazkowicz e nos permite atravessar lugares estreitos). Esta decisão irá alterar a forma como jogamos a partir deste momento. Claro, no final do jogo, podemos contar com os três dispositivos para re-desfrutar do título em níveis de dificuldade mais altos.



A luta é novamente muito divertida e difícil de superar, com situações muito variadas que não nos deixaram o sentimento de repetição, apesar de repetir tipos de inimigos em muitos deles. Os níveis e as batalhas são realmente bem desenhados e as opções para enfrentá-los são muitas. O stealth é mais importante e necessário nesta segunda parcela. O jogo incentiva-nos a usá-lo sempre que pudermos, embora as batalhas com turmas abertas sejam, em última instância, as mais comuns. Claro, tente primeiro eliminar os Comandantes, que não fazem nada além de chamar mais reforços enquanto ainda estão vivos e desligar os alarmes sempre que possível.

Eliminar os comandantes vai impedir que novos soldados nos alcancem e também nos dará um colecionador muito valioso: os códigos de enigma. Eles retornam esses códigos que agora, além de colecionar, podemos desbloquear em uma máquina Enigma que temos a bordo do Eva's Hammer. Desbloqueá-los abrirá novas missões laterais, bem como novas recompensas.

Para o corpo a corpo, temos a possibilidade de usar os eixos e realizar com eles ataques furtivos cortando os tendões dos tornozelos dos nossos inimigos. Também é útil jogá-los em nossos inimigos mais próximos para matá-los sem desperdiçar balas. Então podemos colhê-los de suas costas ou crânios inertes para reutilizá-los.



Embora não se possa dizer que o jogo tenha um sistema de cobertura, ser coberto é vital. E sempre podemos fazê-lo agachado com o botão do círculo (no PS4). Não é uma cobertura automática, mas serve e é tratada muito confortavelmente. Além disso, podemos olhar um pouco fora do alcance para disparar se somos assediados por muitos inimigos e não queremos sofrer danos enquanto apontamos.

Quanto aos inimigos, o título não decepciona. Eles são grandes e difíceis e muito variados. Eles importam e desafiam mesmo os soldados mais "normais", que se cobrem, procuram coberturas e tentam cercar você para fazer mais danos. Mas os robôs, os grandes soldados blindados com armas pesadas e as feras mecânicas de todos os tipos serão os que nos dão mais trabalho. As batalhas contra os enormes cães mecânicos (os Panzerhunds) ou os robôs gigantes são épicos. E, claro, ser capaz de conduzir e dirigir o nosso próprio Panzerhund nas ruas de New Orleans, assando os nazistas é um verdadeiro deleite.



Como você sabe, o jogo não tem modo multijogador de qualquer tipo (seus desenvolvedores apostaram tudo para um modo de jogador de alta qualidade), mas a própria aventura foi projetada para que os fãs se reproduzam várias vezes: pela grande quantidade de segredos escondidos e colecionáveis, por sua grande quantidade de modos de dificuldade (mais um extra) e porque algumas decisões importantes no jogo tornam que ele muda a experiência de forma bastante apreciável.

Quanto ao aspecto técnico, você já viu o quão bem Wolfenstein II: The New Colossus olha em todos os gameplays que acompanham este artigo, o que destaca o extraordinário trabalho realizado. A trilha sonora é um luxo real, misturando a música rápida que acompanha o combate com música típica dos Estados Unidos da década de 60: rock and roll, blues ou jazz de Nova Orleans. E a voz dos personagens (apelidados em castelhano) tem um ótimo nível.

Em suma, esta nova parcela de Wolfenstein é tudo o que os fãs da saga de seguros que eles queriam: um shooter frenético e excessiva (em tamanho e quantidade dos seus inimigos e litros de sangue na tela), mas desta vez melhorou em todos os seus elementos: níveis maiores e cheios de possibilidades, uma história muito mais profunda, trabalhada e cheia de personagens incríveis e mecânica melhorada para tornar sua jogabilidade mais satisfatória. E tudo com um excelente trabalho técnico e artístico.

O VEREDITO

Wolfenstein II: The New Colossus repete a fórmula do shooter delirante, excessivo e divertido, além de uma dificuldade capaz de causar problemas a quase todos os jogadores. Mas desta vez tem uma história melhor, mais profunda e carregada com mensagens críticas, desconfortáveis e até mesmo politicamente incorretas. Mas é precisamente por isso que eles soam mais reais e atraem muita atenção. Missões secundárias e centenas de colecionáveis trazem muitas horas de jogo para seus fãs e as embalagens técnicas e artísticas são excelentes.

Citação: Siga a história de Billy Terror nesta distopia retrofuturista onde os nazistas ganharam a Segunda Guerra Mundial. Um novo Wolfenstein e maior, mais besta e com uma história excepcional.


Pontos positivos

  1. Ação frenética e todas as suas possibilidades.
  2. A história é um passado e cheio de surpresas.
  3. O trabalho artístico está tão cuidadoso...


Pontos negativos

  1. Pode ser difícil para um bom número de jogadores.
  2. Ainda re-jogável, alguma jogabilidade extra pode estar faltando.


Fonte: Es/Ign

0 Comentários

26 Out, 2017 - 18:53

1119 Views

9.0

Como você avalia o Wolfenstein II: The New Colossus?

0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
Escrever Análise

Comentários