Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar

Você concorda que compartilhar arquivos na internet deve ser proibido?

Davi contra Golias

Disputa judicial travada em Curitiba testa limites da legislação brasileira a respeito da violação de direitos autorais na internet

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) devem decidir ainda no início deste ano uma controvérsia inédita no Brasil, sobre o uso de tecnologias na internet e compartilhamento de arquivos digitais.

O caso envolve o empresário curitibano Luciano Cadari e a Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (APDIF), entidade que reúne as grandes gravadoras da indústria fonográfica brasileira.

Entenda o caso

Saiba mais sobre o processo movido contra o empresário Luciano Cadari, criador do site K-Lite:

2004 - O empresário Luciano Cadari coloca no ar o site K-Lite. Adaptado de um software livre, o mecanismo permitia a usuários cadastrados compartilhar arquivos digitais na internet. O site explorava banners publicitários e chegou a ter 30 milhões de usuários.

2008 - A Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (APDIF) entrou com uma ação cautelar de produção antecipada de provas e fez busca e apreensão de computadores no escritório de Cadari, alegando violação de direitos autorais.

2011 - Uma decisão liminar do juiz da 13ª Vara Cível de Curitiba determinou que o K-Lite passasse a utilizar um filtro para impedir a troca de arquivos protegidos por direito autoral e estipulava uma multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento. A decisão inviabilizou o K-Lite.

2012 - A APDIF agravou a sentença da 13º Vara Cível e a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná manteve em acórdão a decisão da primeira instância (veja trecho da decisão abaixo).

2012 - A defesa de Cadari apelou da decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) e entrou com recurso especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ambas as ações aguardam o julgamento final, que deve ocorrer no início deste ano.

Há dez anos, Cadari criou, a partir de um software livre, o site K-Lite, uma ferramenta de troca de arquivos por meio de uma rede P2P (peer to peer ou "ponto a ponto"), que transmite e recebe informação de forma simultânea sem depender de um servidor central.

O usuário, ao instalar o K-Lite, podia compartilhar informações com outros usuários do mundo inteiro. Cadari explorava banners publicitários na página do site. Em, 2007, a ferramenta chegou a ter 30 milhões de usuários.

A APDIF entrou com uma ação e conseguiu uma liminar para interromper as atividades do K-Lite, alegando violação de direitos autorais e lucro indireto indevido.

Para o advogado da APDIF Carlos Eduardo Hapner era claro o intuito do K-Lite em incentivar a reprodução indevida de músicas e o compartilhamento de outros arquivos protegidos com "evidente intenção comercial". "É como se montasse um serviço para levar usuários de droga numa van até um ponto de tráfico e no caminho fizessem publicidade", compara Hapner.

Já o advogado de Cadari, Alexandre Pesserl, contesta o argumento e diz que a ação fere interesses sociais, como a "livre inciativa, o direito à comunicação e à informação". "É uma ferramenta que tem usos lícitos e ilícitos, a depender de quem usa e o que faz com ela", disse.

Para Pesserl, "não se pode responsabilizar o fabricante pela conduta do usuário, seja de carros, armas, ou gravadores de CDs".

"Cristo"

Pivô da disputa de "Davi contra Golias", o empresário Cadari acha que a discussão é "absurda", já que não praticou nenhum compartilhamento. "Para fazer o marketing do medo, as gravadoras me pegaram para Cristo, pois, em meio a vários sites, o meu tinha maior visibilidade", afirma.

Ele explica que o mecanismo que criou, diferente de outros sites, como o MegaUpload e Pirate Bay, não tem um índice ou arquivos fixos de música para download. "O nosso tem funcionabilidade similar aos e-mails, MSN, pen drives, cartões de memória, etc., com os quais as pessoas trocam livremente qualquer tipo de arquivo, além de músicas protegidas. A APDIF também vai processar esses meios?", questiona.

Cadari também alega que não fez "nada escondido": tinha CNPJ, pagava impostos e encargos trabalhistas. Segundo ele, o longo processo o "envelheceu cinco anos". Ele espera que a solução da questão seja rápida. "Quero apenas que os juízes ponham os fatos na balança e decidam com coerência. Daí, a causa é minha", acredita.

Polêmica divide especialistas e pede 'mudança de modelo'

A discussão judicial inédita do "Caso Cadari" o tranformou em paradigma nas faculdades de Direito e trabalhos acadêmicos. As opiniões a respeito do processo dividem a doutrina entre uma ala conservadora, que enxerga agressão à lei do direito autoral, e outro grupo que defende o uso de tecnologias como forma de manter a liberdade de livre iniciativa.

A segunda ala geralmente cita o trabalho acadêmico dos professores Oberholzer e Strumpf, da Harvard Bussines School, que afirma que os downloads têm um efeito de vendas que é estatisticamente zero".

Há ainda outro estudo, do professor Yokai Benkler, da mesma instituição, segundo o qual "35% de músicos e compositores disseram que downloads gratuitos ajudaram suas carreiras" (dados de 2004). Apenas 5% se sentiu prejudicado. Os compartilhamentos também ajudariam na frequência a shows, venda de CDs e exposição em rádio.

Para um dos maiores especialistas brasileiros do tema, o professor Denis Borges Barbosa, do Programa de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o ponto principal a ser discutido não é se os downloads ou compartilhamentos ferem o direito autoral segundo a atual legislação.

"Fere sim. E ponto. E será supresa se o STJ decidir de outra forma". Para ele, no entanto, a questão envolve repensar toda a estrutura do mercado fonográfico, algo que poderia ser melhor regulado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

"Para haver uma adaptação do sistema de mercado a uma nova técnica, setores da economia que inclusive comercializam esta tecnologia querem que o estado retarde a adaptação do setor a este novo modelo", disse.

Segundo Barbosa, o direito autoral deve ser interpretado sempre em equilíbrio com os demais direitos constitucionais, entre os quais os direitos à cultura e à educação". "Esta atual lei de direito autoral cria um sistema pós-colonial de controle da informação que nega os benefícios da livre concorrência", disse.

Você concorda que compartilhar arquivos na internet deve ser proibido?

http://www.k-lite.com.br/

Fonte: Gazetadopovo

Comentários

21 Jan, 2013 - 09:04

1623 Views

Comentários

K-Lite Nitro 22 Jan, 2013 13:54 1

Nós do K-Lite lutamos pelo livre compartilhamento na internet e não podemos permitir que a indústria fonográfica ameace o acesso à comunicação. No www.K-Lite.com.br apresentamos informações sobre o processo envolvendo uma empresa brasileira, que pode prejudicar a liberdade de expressão no meio online. Pedimos a todos que acessem o site, deixem suas opiniões e compartilhe esta ideia.

keyjinho 22 Jan, 2013 03:12 2

Como o amigo abaixo já disse :

Eu comprei e eu decido o q faço com ele...................

Tiagonery9 21 Jan, 2013 23:32 2

nunca deviriam proibir algo tão bom quanto o compartilhamento

wener7 21 Jan, 2013 18:45 2

Quando este país for de pólicos verdadeiros e não estes palhaços, e as leis forem justas e os impostos corretos ai sim posso dizer que não teremos mais a necessidade de usar a palavra pirataria. Imagine se eu todas as vezes que usasse a frase "ORDEM E PROGRESSO" tivesse de comprar uma bandeira. Aff!!! Doem seus arquivos como se doa um livro, um poema ou algo que de lucro os impostos deste país já garantiu ao autor e envolvidos.

geovanetribo 21 Jan, 2013 16:02 2

Porra pelo que eu sei pirataria é a copia e depois a vende de um determinado produto como por exemplo um CD se eu pego um CD original é compartilho ele não vai ser pirata a não ser que eu faça copia dele e distribuo se eu pego o cd e coloco para baixar na net ele não se transforma em pirata Um produto pirata geralmente a qualidade dele é pior que o original

GamerDaniel- 21 Jan, 2013 14:50 2

Acho que compartilhar arquivos não tem nada de mais, pois varias pessoas compartilham arquivos na internet sem ser pirataria, isso é pura frescura

Thodin 21 Jan, 2013 14:38 2

Deveria ficar bem claro que pirataria é crime, e trata-se do ato de reproduzir uma mídia ou qualquer produto sem autorização legal e comercializá-lo.

Se qualquer pessoa (isso me inclui também) adquire um produto e decide compartilhar com outros usuários afim de que possam se divertir com tal arquivo, seja de game, música ou filme, não vejo nada de errado.

Acho que todos tem o direito de compartilhar seus arquivos, roupas, dinheiro, mulher, etc.

Claro que existem questões envolvendo consciência e consequências, vantagens e desvantagens. Eu fiz minha escolha e continuo compartilhando e me divertindo.

hitman1000 21 Jan, 2013 12:16 3

na minha opinião trocar arquivos com meus companheiros não e pirataria, vender arquivos pra os mesmo isso sim e pirataria vou dar um exemplo pra ser mas claro: se eu compro um jogo e empresto pro meu amigo isso e pirataria? agora se eu baixo um arquivo gratuito na internet e vendo pra o meu amigo isso sim e pirataria!

spaizer 21 Jan, 2013 11:59 2

internet para transferencia e troca de dados,se não fosse a pirataria nós perderiamos muitas coisas que ficavam no passado,pois nem se procurasemos hoje pra comprar legalmente nós encontrariamos,então,sou a favor da livra troca de dados,sendo ela pirata ou não,se não fosse isso eu nunca encontraria aqueles desenhos que eu assistia quando tinha 7 anos de idade.

nasireu 21 Jan, 2013 11:07 3

Comprei e dou pra quem, eu quiser...
Paguei com meu dinheiro!

okarinha 21 Jan, 2013 11:00 3

Não!


Pergunta respondida!

0BL0OD0 21 Jan, 2013 09:36 4

http://static.cineclick.com.br/uploads/imagens/geral/192685.jpg