Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar

O futuro do 4K corre o risco de cair nas mãos de trolls



Se depender do HEVC Advance, o Netflix terá que pagar caro para exibir House of Cards em 4K


Você pode não perceber, mas o vídeo que você assiste em um Blu-ray, na TV digital, no YouTube, no Netflix, na INFO e em praticamente todos os outros cantos da internet depende de uma tecnologia em comum: o codec h.264 (também conhecido como MPEG-4 Parte 10, ou, simplesmente, "AVC"). É ele que permite que um vídeo 1080p some uma quantidade de dados suficientemente pequena para que ele possa ser transmitido pela rede sem perda significativa de qualidade. Você já imaginou o que aconteceria se todos esses publicadores de conteúdo tivessem que pagar pelo privilégio de usar esse codec? É isso que o grupo HEVC Advance pretende fazer com a próxima versão do h.264, o HEVC/h.265, cuja maior promessa é cortar pela metade a banda necessária para transmitir vídeos em 4K.

O que é HEVC?

Como o h.264, o HEVC é um codec de vídeo ou, mais especificamente, um formato de codificação de vídeo. O que a codificação faz é criar uma representação matemática do sinal analógico capturado pela câmera para que ele possa ser processado por um computador. A maioria dos codecs é denominada de "lossy" porque alguns dados são perdidos durante essa conversão, mas também existem formatos "lossless" que mantêm toda a informação capturada.

Desse modo, ao contrário do que acontece com as gravações de vídeo em filme analógico, cada frame de um vídeo digital típico não é necessariamente uma foto completa da cena - os arquivos seriam gigantescos se assim fosse. Câmeras projetadas para a produção de vídeos sem perda de dados, por exemplo, normalmente são equipadas com SSDs e não simples cartões de memória porque elas precisam de uma mídia muito mais rápida e com maior capacidade de armazenamento.

Não deve soar surpreendente, portanto, que a esmagadora maioria dos vídeos que qualquer pessoa assiste vêm de algum tipo de mídia comprimida. Graças a um raro equilíbrio entre qualidade e eficiência, o h.264 se tornou o codec mais popular por uma larga margem.


Imagem

Durante a "Idade Média" da Internet, tínhamos que nos contentar com formatos de baixa bitrate como o RMVB


Basicamente, o h.264 funciona quebrando cada frame em blocos chamados "macroblocks". Em vez de sempre gravar os pixels correspondentes da forma como estão, o software busca blocos similares em outros frames. Se um padrão for identificado, um grupo de frames subsequentes pode ser codificado como um vetor de movimento. Dessa maneira, o vídeo é reorganizado em um grupo de imagens (GOP) composto por três tipos diferentes de frames: I-frames, P-frames e B-frames.

Os I-frames são fotos completas da cena que servem de referência para reconstruir os outros dois, que ocupam menos espaço. Além de comprimir o vídeo de acordo com a sequência de frames, o codec também comprime cada frame individual prevendo a distribuição de pixels na imagem através da transformada discreta de cosseno (é o que acontece dentro de uma foto em JPEG, por exemplo).

Essa estrutura é melhorada ainda mais pelo HEVC (também chamado de h.265), que se baseia nos sucessos do h.264 para dobrar o grau de compressão sem perda de qualidade. Como no h.264, o HEVC divide cada frame em várias partes, desta vez chamadas de "coding tree blocks", que são mais numerosos e flexíveis do que os macroblocks citados acima. O HEVC também usa transformadas mais longas e que podem cobrir uma área maior.


Imagem

Parte do processo de scan de uma imagem em compressão


Discutir as especificidades de cada codec seria ultrapassar em muito o escopo deste artigo. O ponto aqui é que o HEVC é o fruto do grande desenvolvimento na capacidade computacional que experimentamos nos últimos anos. Ele foi projetado para se aproveitar do processamento paralelo casa vez mais comum nos vários tipos de computadores que usamos. O resultado é um arquivo mais difícil de ser decodificado, mas que também ocupa menos espaço na memória.

Na prática, a grande mudança que ele provoca é que vídeos em geral se tornam mais acessíveis para todos os tipos de público. O 4K, em especial, se tornaria uma resolução mais viável em sites de streaming de vídeo, mas os vídeos em 1080p também vão exigiriam uma banda menor de internet.


Qual é o problema?

O problema do HEVC no momento não é técnico, é econômico. Tanto o HEVC quanto o h.264 são padrões abertos, mas a implementação de ambos não é necessariamente aberta. Embora o padrão tenha sido criado por associações internacionais como o ITU-T e o MPEG, seu desenvolvimento exigiu o uso de muitas tecnologias patenteadas. Existem soluções open source de excelente qualidade como o encoder x264 e o decoder do ffmpeg, mas, em geral, usar o h.264 significa esbarrar em alguma patente de empresas como a Apple, a Microsoft e a Fujitsu (só para citar algumas).

Essa situação sempre causou muito constrangimento na indústria. A Mozilla, por exemplo, demorou anos para suportar o codec no Firefox justamente por causa de sua utilização de tecnologias proprietárias. Para garantir que o padrão continuaria sendo suportado pela maior parte do mercado, o consórcio de empresas que atualmente gerencia os direitos do h.264, chamado de MPEG LA, relaxou as exigências de pagamento de royalties.


Imagem

O popular player de vídeo VLC usa as biliotecas do ffmpeg para lidar com vídeos em h.264 e outros formatos


Quem paga essa conta atualmente são os produtores de hardware com encoders ou decoders de h.264 (players de Blu-ray e SoC com codecs de hardware, por exemplo), empresas que vendem conteúdo por demanda (discos de filmes em h.264, por exemplo) e serviços de assinatura de conteúdo que utiliza o padrão. Essas duas últimas categorias só são cobradas a partir de 100 mil unidades anuais vendidas ou do registro de 100 mil inscrições, ambos com restrições de valor máximo. Crucialmente, vídeos entregues pela TV aberta ou pela internet, como é o caso do Netflix, não são cobrados.

Como a MPEG LA também licencia os direitos do HEVC, esperava-se que a situação continuaria a mesma e, de fato, foi isso que a empresa prometeu. No entanto, a MPEG LA não tem controle exclusivo sobre esses padrões. Qualquer detentor de direitos pode sair do grupo e defender seus interesses por si só. Foi justamente isso que aconteceu quando um grupo de empresas que faziam parte do MPEG LA fundaram o HEVC Advance em março deste ano.

O novo grupo diz representar a Dolby, a Mitsubishi Electric, a Philips, a Technicolor e a General Electric. Eles ainda estão tentando reunir mais membros e almejam reunir até 500 patentes relacionadas ao HEVC. A princípio, o HEVC Advance só tinha causado alguma confusão e incerteza no mercado, mas neste último dia 22 surgiu a notícia de que eles começariam a cobrar 0,5% do lucro bruto atribuível ao uso de HEVC por publicadores de conteúdo em geral. Isso significaria cobrar uma taxa 0,5% do Facebook, da Apple, da Amazon e de outros provedores de vídeo da internet. Além disso, a cobrança seria retroativa, de modo que quem já produz conteúdo em h.265 há algum tempo, como é o caso do Netflix, seria forçado a pagar por todo esse período. Fabricantes de hardware, incluindo TVs e smartphones, também teriam suas tarifas aumentadas em relação às do h.264 sem limites de arrecadação máxima.


Existem alternativas?

Considerando que as tarifas propostas pelo HEVC Advance podem ser até 7 vezes maiores que as já existentes para o h.264, é difícil imaginar uma situação em que o mercado em geral adotaria o HEVC. Balcanização é ruim para as empresas, mas também é muito ruim para o consumidor. Ninguém quer voltar a um passado em que formatos determinavam quem assistia um filme ou outro.

Naturalmente, existem muitos outros codecs além do HEVC e do h.264, mas apenas dois até agora se mostraram candidatos viáveis para o futuro dos vídeos em UHD. Trata-se do VP9 do Google e do Daala da Mozilla. Ambos são interessantes por não cobrarem royalties, mas destronar os variantes do MPEG-4 obviamente não é uma tarefa simples.


Imagem

O maior problema de ambos é que seu principal foco é a internet. Ou seja, tanto o VP9 quanto o Daala sacrificam mais qualidade em nome de uma ainda bitrate menor. Se houver um dos dois começar a ganhar mais penetração, é provável que o mercado se divida entre VP9 na internet (graças ao peso do YouTube) e HEVC para conteúdo nativo.

De qualquer maneira, o HEVC já tem uma vantagem considerável de adoção. Vários smartphones já possuem um decoder de hardware compatível e o próprio Netflix usa o codec em streams de 4K para TVs mais modernas.

De qualquer maneira, só podemos torcer para que os membros do MPEG LA não caiam na promessa de dinheiro rápido e fácil do HEVC Advance. No longo prazo, um mercado unido é benéfico para todos.

Fonte: Info/Abril

Comentários

25 Jul, 2015 - 14:23

7788 Views

Comentários

silviola 27 Jul, 2015 11:38 0

airi escreveu:Vai la então pegar seu ps3/360 e liga na TV de tubo ja que lhe agrada, tenho uma que nem por 100 reais pra vender sai de casa, nem em barzinho de pé sujo quer mais TV de Tubo, querem LCD porque sabem que é economia de 30% ou mais na energia.

Você está confundindo eu estar "dando contra" numa tecnologia ostentação com o fato de eu possivelmente ser retrógrado.
Não sou nada retrógrado, não confunda kukumb#nda .
Inclusive tenho uma TV Plasma FullHD 3D 51" que comprei para minha sala e fico exatamente a uma distância compatível para que meu olho consiga definir todos 2073600 pixels DENTRO da minha amplitude de visão periférica. Esta distância é por volta de 2,5 m.
Se eu colocar uma TV 4K na minha sala, nestes mesmos 2,5 m, não vou ver nem perto dos 4K pixel's e se chegar mais perto da TV vou perder a amplitude periférica.
TV 4K existem pouquíssimas aplicações práticas realmente justificáveis, multiplayer splitscreen 4 players poderia ser uma, não mto longe disso.

airi 27 Jul, 2015 09:50 1

silviola escreveu:Isso cabeções, troquem seus televisores e monitores pra 4K ... mas antes, vão dar uma estudadinha em fotografia, biologia do olho humano, e principalmente: lógica.

Parecem umas vaquinhas no potreiro, vão pra onde são tocados, sem questionar... poloamordeDeus.


Vai la então pegar seu ps3/360 e liga na TV de tubo ja que lhe agrada, tenho uma que nem por 100 reais pra vender sai de casa, nem em barzinho de pé sujo quer mais TV de Tubo, querem LCD porque sabem que é economia de 30% ou mais na energia.

rodrigogaleno 26 Jul, 2015 21:46 1

A uns 4 anos atrás vi uma reportagem sobre testes de uma emissora japonesa com a tecnologia chamada 8k que seria quase impossivel ser colocada para o pulbico devido ao som emitido por uma tecnologia dessa necessitar de 28 auto falantes ai lança o 4k para não perderem o investimento enquanto não acham uma forma de comercializar essa tecnologia tipo 720p por isso comprem varias tvs 4k gente vão lá comprar!!!

judson_farias 26 Jul, 2015 19:03 0

o olho humano tem a capacidade de ver esse tal 4K?

silviola 26 Jul, 2015 13:27 -2

Isso cabeções, troquem seus televisores e monitores pra 4K ... mas antes, vão dar uma estudadinha em fotografia, biologia do olho humano, e principalmente: lógica.

Parecem umas vaquinhas no potreiro, vão pra onde são tocados, sem questionar... poloamordeDeus.

iGhosthy 26 Jul, 2015 12:31 1

To mais impressionado é como os caras conseguem criam umas paradas dessa...

leosenin 26 Jul, 2015 02:56 3

tensoo escreveu:
rafaelmessias escreveu:sdds rmvb, series e animes por 40 mb baixados em 25 min numa net a radio kkkkk

HSUHAUAHSUH PODE CRER!!!!

Comecei a assistir naruto, one piece e outro animes assim, só quem teve speedy 256kb saberá o que era a demora pra baixar 50 megas desses episódios!

spybad 25 Jul, 2015 20:51 -2

xandjam escreveu:
silviola escreveu:Por mim que abiche... 4k é só ostentação mesmo... resultado prático nulo ou perto disso.

Nem é cara... é muito perceptivel a diferença, principalmente em games... Mas eu acredito que não é necessario... full HD pra mim já mais que o suficiente. Pelo menos para o dia a dia, e com usuarios normais.

Agora sempre vão existir os entusiastas que piram nessas paradas.

4k ate eh bonito , numa tv oled blz. 4k verdadeiro.. nao *****!.. q vendem por ai FNAC e putaria... e outra, jogo 4k praq? veio ngm consegue direito rodar jogo 120 fps. com monitor 120hertz verdadeiro.. TRAVADO,, vai qrer oq no 4 k?/ jogar a 2 fps? TENDI.. DEVE SER.. galera tem ***** na cabeç.

tr3v0rk 25 Jul, 2015 19:48 2

pode cair kkkkkkkkkkkkkk
enquanto isso o mundo fala em 32k....
bronzil.

HIDE224 25 Jul, 2015 18:21 -4

só baixo até 1080p, qual é a necessidade de ficar dias baixando um bagulho 4k?

tensoo 25 Jul, 2015 17:47 1

rafaelmessias escreveu:sdds rmvb, series e animes por 40 mb baixados em 25 min numa net a radio kkkkk

HSUHAUAHSUH PODE CRER!!!!

rafaelmessias 25 Jul, 2015 16:09 4

sdds rmvb, series e animes por 40 mb baixados em 25 min numa net a radio kkkkk