Baixe agora o app da Tribo Gamer Disponível na Google Play
Instalar

Criador do Linux duvida muito que inteligências artificiais causem o apocalipse

Nos últimos meses, alguns dos cientistas e engenheiros mais famosos do mundo — incluindo Stephen Hawking — afirmaram que uma das maiores ameaças da humanidade é a superinteligência artificial. Mas Linus Torvalds, o raivoso criador do sistema operacional de código aberto Linux, diz que esse medo é uma grande idiotice.

E ele tem bons argumentos, explicando que o que realmente veremos não é uma superinteligência destrutiva como a Skynet, e sim uma série de IAs que efetuam tarefas simples, como tradução e agendamento. Basicamente, estas seriam versões mais refinadas de aplicativos como o Google Now ou a Siri. Entretanto, eles não se tornarão deuses cibernéticos, ou formas de inteligências equivalentes à humana.

Em uma entrevista com os membros da comunidade Slashdot, Torvalds explica o que ele acha que será o resultado de pesquisas em redes neurais e inteligência artificial:

Nós teremos a inteligência artificial, e ela quase que certamente será algo bem parecido com as redes neurais que temos hoje. E o problema é que, já que esse tipo de IA precisará de treinamento, ela não será "confiável" no sentido tradicional da computação. Não é como nos sistemas de antigamente baseados em regras, quando as pessoas acreditavam *entender* quais eram as decisões da IA.

E tudo isso a torna bem interessante, é claro, mas também a torna difícil de produzir. Isso limitará onde você encontrará essas redes neurais, e quais tipos de tamanhos de rede e comandos de entrada e saída que elas terão.

Então eu esperaria mais inteligências artificiais focadas do que algo parecido com humanos. Reconhecimento de idiomas, padrões e coisas do tipo. Eu não imagino uma situação em que a sua máquina de lavar louças começa a repentinamente discutir Sartre com você.


E quanto à ideia de que a inteligência artificial entra em singularidade, quando computadores passam por uma "explosão de conhecimento" e descobrem como produzir qualquer objeto que possamos imaginar, de forma infinita? Ah, e ainda nos ajudar a viver para sempre? Talvez o guru da singularidade do Google, Ray Kurzweil, acredite neste mito, mas Torvalds é bem cético:

E essa "singularidade"? Sim, é ficção científica, e nem é muito boa, em minha opinião. Crescimento exponencial sem fim? Que drogas essas pessoas estão usando? Sério.


Mesmo depois de todos estes anos, Torvalds ainda consegue trollar os melhores pensadores. E eu o adoro por isso. [TechWeek Europe e Slashdot]

Fonte: Gizmodo/Uol

Comentários

09 Jul, 2015 - 10:06

800 Views

Comentários

Vinícius111 09 Jul, 2015 10:46 2

Assim como a 40 anos atrás quem afirmava que um dia todas as pessoas do mundo estariam interligadas, que poderiam se comunicar verbalmente e visualmente, poderiam ter acesso a todo tipo de informação e invadir a vida privada de outra pessoa, tudo isso sem sair de casa, também era chamado de idiota, visionário ou louco.

O verdadeiro idiota não é aquele que traça teorias futuras que hoje possam parecer inadmissíveis, o verdadeiro idiota é aquele que afirma que a tecnologia não poderá surpreender a ideologia que se tem atualmente.

Notícias